Papô

23 jun

Eu queria escrever com um monte de crianças por perto, que aí é que dá mais vontade ainda de escrever e escrever até minha mão cair. Ou meu cérebro derreter. Ou meu coração explodir. Fico imaginando você na sua sala de aula, um monte de crianças brincando em volta, e você tão pequeno e já sozinho o dia todo porque eu tenho que trabalhar pra pagar a escola onde você passa o dia todo pequeno e sozinho e penso: que grande bosta, somos todos uns incoerentes. E você, tão alheio a toda desgraça do mundo, diz que aquele bicho bicudo do livro é um papô. Claro que é um papô. Todos os patos do mundo sempre foram papôs desde o princípio dos tempos. Pobre de quem não sabe. Eu sei.

Você, seu copinho de ursinho, seu livro de porquinho, você é a criatura mais apavorante do mundo. Eu te vejo sorrir pra mim e penso: fudeu. E acho que vou ficar louca a qualquer momento. Vai ser um baita transtorno eu louca, o conselho tutelar vai te levar de mim porque eu te amo tanto que fiquei louca. Você sorri pra mim e eu entro em pânico porque é tão bom, tão bom, que não pode. Como pode? Não sei, mas há quase 2 anos tem podido. E eu tenho segurado as pontas da loucura que é criar você. Da loucura que é achar que sou feita de pó de estrela ou crina de unicórnio ou qualquer outra matéria fantástica, porque só sendo fantástica pra gerar você. Se não fosse por você eu nunca seria apresentada a essa mulher leve que sou hoje, com um pé em Botafogo e outro na insanidade. Uma mulher que aos poucos vai entendendo que isso sim que é amor. O resto é coisa de homem. E que medo mesmo não é você sumir. É ter vivido tantos anos sem você ter existido.

16 Respostas to “Papô”

  1. Marília 23/06/2010 às 16:46 #

    Ju, esse texto fez meu coração parar 2 segundos, amiga. O torresmo e tu, essa família de vcs três, coisa mais linda, uma graça, no sentido da dádiva, ver de perto.

  2. redatoraprocura 23/06/2010 às 17:35 #

    Ah, Ju, lindo o texto. Lembrei da minha mãe, que tem umas ideias parecidas com o que vc escreveu. O blog tá lindo.

    • Ju Dominguez 23/06/2010 às 17:52 #

      Brigada, amiga. Passa aqui mais vezes que a casa é sua. :)

  3. Mercedes Dominguez 24/06/2010 às 08:02 #

    Oi!Li, emocionada o seu texto!Quem é mãe compreende exatamente o que vc diz.Eu, como mãe de uma mãe, só tenho que ficar feliz por vc ter descoberto esse mundo aterrorizante. Agora dá para entender bem o ditado”Descubra a vida selvagem, tenha filhos!”. Eu, também, não saberia viver sem vcs!

    • Ju Dominguez 24/06/2010 às 09:58 #

      Que bom que você gostou! “Descubra a vida selvagem, tenha um porquinho.” :D
      A Laís vai escrever aqui também. Só falta ela pra completar.
      Bjinho!

  4. Camilla Moreira 24/06/2010 às 19:12 #

    Meu Deus q texto lindo Ju. Tô aqui sentada na minha mesa do trabalho com os olhos cheios de lágrimas e com pessoas me perguntando se tô bem Rs Lindo demais. Verdade, isso sim eh amor :)

  5. Marcos Dantas 25/06/2010 às 13:14 #

    o dia-a-dia, agora em “poesia”. Muito bem Lindinha. Lindo texto. Imagina qdo esse muleq começar a sair de casa, pegar o carro, dormir n acasa da namorada… hehe :D

    Bjs!

    • Laís 28/06/2010 às 04:32 #

      Dantas!!! Ainda bem que vc tá veizinquando aqui pra dar uma segurada nos estrogênios pululando aqui. Pq tá foda. Sua esposa é a mulher da minha vida também. Gênia.

  6. Laís 28/06/2010 às 04:28 #

    CHOREI. TÔ CHORANDO.
    sem mais

  7. Raphael 29/06/2010 às 10:24 #

    Ju, chorei aqui também. Que coisa mais docaralho. Talento heim! Escreva mais! :D

  8. Alexandre Florez 01/07/2010 às 17:41 #

    Aí farofa… muitcho lindo. Correu uma lágrima, de verdade!

    • Ju Dominguez 01/07/2010 às 18:14 #

      Depois dos Mortinhos, é a coisa mais emocionante das nossas vidas, diz aí. ;)

    • Alexandre Florez 08/07/2010 às 01:15 #

      Hahahaha… mortinhos…nem lembrava…taí, boa pedida para um final de noite trabalhando… bjão

    • Ju Dominguez 08/07/2010 às 14:18 #

      Aquele cd dos mortinhos é demais. Quando saí da agência e vi que você tinha posto sorrateiramente no meio das minhas coisas, ri demais. Aliás, só de falar “mortinhos” já me dá vontade de rir. Nota dez! :)

  9. Camilla Moreira 02/07/2010 às 09:17 #

    Ju, acabei d ler esse seu texto aqui pra minha mae. Ela esta te parabenizando por vc ter conseguido transformar em palavras o sentimento de amor incondicional de mae. Estamos as 2, literalmente, arrepiadas. Nao preciso nem dizer q eu chorei de novo, ne?! Rs

    • Dany Catorza 29/07/2010 às 17:12 #

      Amiga, que lindo! Parabéns por mais este talento, parabéns mesmo! Arrasou no liso!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: